Contos - O Vento do Inferno  

Posted by Diego Erik in


O Vento do Inferno

por Eno e Damian Cidamon


O dia em Estrela Vermelha estava completamente tedioso, e para todos os bom cidadãos da capital, parecia que a noite também iria, de forma similar, faltar em drama. Porém, ninguém poderia ter esperando que o chilli da velha e obesa Patrícia Pilzan mudaria tudo. Ele até tinha descido bem, mas não demorou muito para que ela sentisse o chamado da natureza e colocasse a bunda para fora na janela.

A explosão de vento pútrido que se seguiu fez tremer até o chão. Prédios caíram e pegaram fogo. Pessoas sufocaram e desejaram pela morte. Metade das plantas no Jardim Real morreram. Mas em sua casa, ignorante da carnificina, Patrícia riu e disse “Oh, parece que minha bunda está pegando fogo”, e a deixou explodir uma segunda vez.

O pequeno Jhonatan Falcius ouviu o comentário e gritou, “Bem, está de fato pegando fogo, sua velha vaca gorda! O que você está fazendo ao liberar esse fedor na cidade?”.

“Eu sou uma dama”, respondeu Patrícia, “então meus puns não fedem”.

“Pois de certo fedeu, sua bruxa feia, e sua bunda ainda está pegando fogo!”, veio a resposta dele.

Então Patrícia deixou sua casa e viajou para o Templo do Campeão para receber cura. No caminho ela viu a cidade em caos e se perguntou o que tinha o causado. Ela entrou no templo e disse para o padre, “Minha bunda está em chamas. Você pode cura-la?”.

“Bem, não, nós não fazemos cura aqui”, respondeu o padre.

“Você não pode fazer nada?”.

O sacerdote, que era um homem muito corajoso, naquela hora tremeu, hesitou, atrasou, e finalmente junto a coragem de seu deus para falar, tremendo “Eu... eu... p-p-p-posso... d-d-d-dar uma... o... lhada...”.

“Oh, obrigado querido. Você é tão gentil”, veio a resposta dela, e ela se curvou.

O sacerdote levou vários minutos para contornar a velha gorda, e então quando chegou a seu posterior, ele gritou em terror, “Ahh! Tem uma coisa se arrastando para fora dali!”

E certamente que tinha uma mão nas chamas, tentando puxar-se para fora. Logo outra emergiu, seguida de uma orelha, uma cabeça e um corpo, finalmente pernas e um rabo; e então a coisa caiu ao chão, suspirando de exaustão.

“O que é você?”, perguntou o padre.

“Eu sou um diabrete. Obrigado por abrir esse portal para o Inferno, mas da próxima vez, poderia fazer ele um pouquinho maior e fedendo menos?”, disse.

“Um portal para o Inferno? Na bunda gigante de Patrícia?”, perguntou o padre.

O diabrete se virou e ficou mortificado ao ver que de fato ele tinha saído de dentro de uma bunda, mesmo tendo visto muitos terrores em sua terra natural, mas Patrícia, ofendida, respondeu, “Minha bunda não é tão grande, especialmente nessas calças!”.

O sacerdote perguntou, “Bem, como isso aconteceu, e como podemos fechar o portal?”.

O diabrete, não completamente recuperado do horror, disse “O portal se abriu quando algo realmente profano ocorreu. Essa montanha gorda deve ter peidado algo terrível. Eu não seu como fechar”.

O padre disse, “Nesse caso, você terá que ver um sacerdote da Dama da Magia, para que esse descubra como fechar esse portal em seu anus. Mas eu temo que você terá que ir a outra cidade para tal, por que o Grande Templo não vai te deixar entrar”.

E foi assim que Patrícia Pilzan se viu andando até Sedara, a próxima cidade que ela conseguiu pensar. Conforme ela andava, o balançar de seu posterior se tornou mais intenso. Ela andou por uma colina e passado um castelo arruinado, onde ela foi confrontada por um bandido Meio-Orc, que ordenou, “Me dê todo seu dinheiro, sua Pudim Rosado!”.

Patrícia ergueu as dobras de sua barriga para achar uma pequena bolsa, uma visão que fez o bandido vomitar. Ela a abriu e puxou 14 Garras, uma das quais conseguiu passar entre seus dedos quase juntos e cair no chão. “Ops”, ela disse, “deixe-me pegá-la para você, querido”.

E então que quando ela se curvou, um Cornugon caiu de sua bunda. Ele rugiu, se levantou e então devorou o bandido, antes de fugir após ver de onde ele tinha saído.

Quatorze Diabretes, seis Hamatulas, três Barbazus, e até uma Succubus (que morreu do coração ao ver tamanho horror) depois, Patrícia Pilzin chegou até Sedara. Ela conseguiu por pouco entrar pelos portões, e foi até o sacerdote rosettani Florius Estupidus. “Com licensa querido”, ela disse a ele, “tem um portal para o Inferno no meu bumbum, e eu estava pensando como que eu posso fazer para que ele seja fechado”.

“Sua porca nojenta e idiota, para fechar um portal para o Inferno, alguém tem que ir até lá e fechar o portal por dentro”, ele respondeu.

“Oh, obrigado querido. Eu odeio pedir, mas estava perguntando se você poderia se espremer ali e fecha-lo para mim?”, ela perguntou.

“Dama da Magia, não!”, ele gritou, e pelos poderes de Taliesin se teletransportou vários metros longe, e então correu. Patrícia o perseguiu para fora da cidade, através dos bosques e descendo uma colina íngreme. Subitamente, ela errou um passo e caiu. Ela pousou com um baque surdo e caiu através de sua bunda, de alguma maneira entrando no Inferno ela mesma.

Ela se levantou e encontrou-se em uma terra estranha, com colinas de pedra cinza e céu cor de sangue. Ela limpou o pó de si, e então percebeu uma fila ordenada de diabos vindo até onde ela estava. Ela se levantou e disse “Com licença, bela criatura. Alguém abriu um portal em minha bunda, e eu me perguntava se algum de vocês seria um docinho e poderia o fechar”.

“Oh Asmodeus!”, um dos Hamatula respondeu, “Nós estávamos fazendo fila para passar pelo reto dessa Bolha Gelatinosa horrorosa? Eu mesmo vou fechar esse portal!”.

“Obrigado querido”, ela disse, enquanto o Hamatula, e todos os outros diabos, fugiam dali em desespero. Uns poucos minutos depois houve um brilho branco, e ela se encontrou no fundo da colina íngreme.

Patrícia Pilzan se levantou, riu, e então andou de volta para sua casa em Estrela Vermelha. Ela entrou em sua casa, sentou em sua mesa, e comeu o que tinha sobrado de seu chilli. Sentindo o chamado da natureza, ela andou até a janela, e colocou sua bunda para fora...

This entry was posted on quarta-feira, setembro 19, 2012 at 14:44 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

0 comentários

Postar um comentário