Cenário - Roda das Cores  

Posted by Diego Erik in

A Roda das Cores


A roda das cores é um sistema de tendência em que as cinco cores possuem tanto encarnações literais e filosofias não-literais; ou seja, são tanto ideologias como forças que modificam o cosmos. A parte que concerne às pessoas é a segunda forma, a forma de ideologias: A cor de tendência de uma pessoa é como ele se encaixa no mundo, não como uma limitação em seu comportamento. A pessoa não age de uma forma por que é de certa cor; ela é considerada de certa cor por ágil de tal forma.

Existe o conceito de Cor Primária. Essa cor representa a maior parte (ou as porções mais fundamentais) de sua personalidade, ideologia e objetivos; para aquelas poucas pessoas que não possuem uma cor secundária, simboliza também sua metodologia mais utilizada. A Cor Primária é muito intrínseca ao ser; e enquanto ela pode mudar, é o tipo de coisa que muda apenas um longo e envolvido desenvolvimento, ou após traumas severos e grandes eventos; a perda de alguém muito amado, o nascimento de um filho, ou presenciar eventos que poderiam quebrar mentes mais fracas, são todos exemplos de situações que podem modificar uma Cor Primária, ou, por outro lado, reforçar a visão dela.

Cada personagem também possui uma Cor Secundária, que modifica sua Cor Primária. Cores Secundárias combinam com a Cor Primária para criar uma nova filosofia e padrão de vida, mas a Cor Primária retém precedência; ou seja, os objetivos e visões da Cor Primária são a maior parte da tendência do que os da Cor Secundária. A Cor Secundária pode ser tanto uma metodologia que completa uma ideologia -algo que o personagem não necessariamente acredite ou suporte, mas que use-; ou uma mistura ideológica com a cor primária dominando por pouco. As Cores Secundárias são muito mais fluidas do que as Cores Primárias, e mudam conforme as crenças do personagem sobre o que é permitido ou eficiente mudam.

Cada cor possui duas Cores Aliadas, cores que são relacionadas a ela. Uma cor divide certos aspectos de sua ideologia e metodologia com seus aliados, e sociedades baseadas nessas cores geralmente se dão bem em certa extensão. Isso significa que cada cor possui certas partes das ideias e interesses de seus aliados dentro de si.

Por outro lado, cada cor possui também duas Cores Inimigas, cores opostas a elas tanto em ideologia quanto em metodologia. É importante notar que um personagem pode ter uma mistura de cores que incluam duas Cores Inimigas, e que isso de forma alguma sequer chega a ser incomum; essa configuração simplesmente costuma gerar algum tipo de auto-conflito.

Esse sistema não assume que os personagens usem sua tendência estampada em suas caras, e não existe razão nenhuma para que as pessoas do mundo tenham que referenciar a si mesmas e aos outros por suas cores. Enquanto pessoas de cores opostas costumam ter opiniões bastante diferentes, isso não significa que sejam incapazes de suportar-se ou cooperar, especialmente se possuírem uma cor secundária em comum. De maneira geral, participação constante nas ideias e métodos de uma Cor Inimiga costuma mudar as ideologias de o que é aceitável fazer -ou seja, Cor Secundária- para a cor em questão.

É importante notar que no grande esquema das coisas -as cores como forças e padrões-, as cores são absolutamente Amorais, ou seja, destituídas de moralidades e conceitos como Bom ou Mau: Todas as cores possuem seu melhor e suas pessoas “boas”, e seu pior e pessoas “más”.


Azul – Conhecimento e Descoberta
Azul acredita em perfeição. Toda coisa e criatura tem potencial infinito, e tudo que é necessário para alcançar esse potencial é conhecimento o suficiente. Dessa forma, o ideal “platônico” de Azul é a Onisciência –se sabe todas as respostas, pode fazer qualquer coisa, ser qualquer coisa, e mudar qualquer coisa. Azul ama obter respostas; segredos, soluções novas, pensamento lógico, cuidadoso e metódico são todos grandes marcas de seus métodos.
Em seu melhor, Azul é o cientista iluminado, cuidando de uma obrigação para com a sociedade e melhorando a vida de todos.
Em seu pior, Azul é um torturador sem emoção, procurando segredos proibidos e dissecando suas vítimas em busca de repostas, não para obter nenhuma vantagem pessoal, mas pelo puro conhecimento.
Aliados: Branco e Preto.
Inimigos: Verde e Vermelho.


Branco – Comunidade e Prosperidade
Branco acredita na ordem da lei. Apenas seguindo uma certa ordem que a vida pode ser pacífica e ideal. Branco acredita em um senso simples de certo e errado, e trabalha com união, inteligência e planejamento para conseguir seus objetivos. Para o Branco, o indivíduo não é tão importante quanto o todo; enquanto pode muito bem se culpar pelo preço, para Branco o sacrifício do Um para salvar o Todo é aceitável, se não perfeitamente válido.
Em seu melhor, Branco cria sociedades utópicas quando leis bem-organizadas cuidam da paz, tranqüilidade e felicidade.
Em seu pior, Branco cria ditaduras fascistas, governadas por fanáticos e loucos.
Aliados: Azul e Verde.
Inimigos: Vermelho e Preto.


Preto – Poder e Individualidade
Preto acredita que todo mundo é egoísta. É uma filosofia fria, dura e desagradável, mas sincera: Todo mundo está se preocupando consigo mesmo, e você também deveria o fazer. O ideal “platônico” de preto é Onipotência; apenas se você tiver poder é que você assegurará sua existência, liberdade e segurança. Aqueles que acreditam na filosofia Preta muitas vezes se importam consigo mesmo ao custo de outros, e é muito fácil enxergar seu pior; é importante entender que o vigilante extremista disposto a fazer o que é necessário é uma faceta igualmente válida do Preto.
Em seu melhor, Preto cria sociedades iluminadas ao direito pessoal, onde os direitos e oportunidades de um indivíduo tomam precedência sobre as regras comuns.
Em seu pior, Preto cria sociedades onde as piores atrocidades são permitidas, desde que se possa faze-las sem retribuição.
Aliados: Azul e Vermelho.
Inimigos: Branco e Verde.


Verde
– Crescimento e Harmonia
Verde acredita no conceito de predestinação. Na visão de Verde, existe um Plano para criar um mundo perfeito, e você ser pode ser o mais feliz possível ao descobrir seu papel nesse Plano e segui-lo. Verde confia nos instintos e na harmonia do mundo a sua volta, usando intuição e observação para “crescer” seu caminho em volta de problemas, seja física, mental, mágica ou espiritualmente. Verde não gosta do uso de novas ideias e invenções quando as soluções tradicionais funcionariam, e desconfia do uso de artifícios da lógica, como o egoísmo.
Em seu melhor, Verde é sábio, compreensivo e intuitivo.
Em seu pior, Verde é selvagem, de visão curta e teimoso.
Aliados: Branco e Vermelho.
Inimigos: Azul e Preto.


Vermelho – Liberdade e Emoção
Vermelho acredita em agir pelas emoções, e na liberdade de o fazer. Se você ama, aja por amor; se você odeia, ataque; se você sente tristeza, chore. Vermelho acredita em liberdade absoluta, e que as pessoas são mais felizes quando são honestas consigo mesmas. Enganação, espontaneidade e soluções diretas são todos, ao mesmo tempo, marcas da metodologia Vermelha; a cor é muito mais propensa a esmagar uma parede ou passar pelas frestas do que construir uma porta.
Em seu melhor, Vermelho é genuinamente leal, carinhoso e dedicado à liberdade pessoal.
Em seu pior, Vermelho é destrutivo de maneira aleatória e desnecessária, quebrando obstáculos, leis e pessoas por que elas estão lá.
Aliados: Preto e Verde.
Inimigos: Azul e Branco.


Sem-Cor
Criaturas incapazes de consciência, bem como criaturas sem alma, inteligência ou vontade própria, não possuem uma cor de tendência. Sem-Cor não tem cores aliadas, inimigas ou secundária. Ela conta como de cor oposta ou inimiga para qualquer efeito que baseie-se em cores, conforme apropriado.
É possível que uma criatura consciente tenha tendência Sem-Cor. Esse tipo de pessoa sofre de indecisão ou falta de motivação crônicos; apatia em geral que preenche sua crença e sua metodologia, ou, mais apropriadamente, a falta deles. Criaturas sem cor parecem casos severos de depressão, servos sem motivação, e funcionários de escritório e telefonia que vivem dia após dia simplesmente para sobreviver, sem saber por que e sem motivos superiores.



Relações entre as Cores
 

Misturas de Cores
Os seguintes são exemplos gerais do que poderia ocorrer quando você começa a misturar duas cores. É importante entender que esses exemplos são propositalmente extremos, com as duas cores pesando igual, ou seja, ambas representando tanto ideologia quanto metodologia. A maioria dos personagens não chegará a esse extremo, e será mais tendencioso para um lado ou outro; é perfeitamente possível extrapolar as diversas e sutis nuances das cores. Cores aliadas possuem Fraquezas, o ponto contrário onde suas forças se unem, enquanto cores inimigas possuem Conflitos, onde suas visões se batem de frente e as impedem de prosseguir.

Azul-Branco 
Essa combinação acredita no poder da lei, cria e controla leis as quais acredita que beneficiarão o maior número de pessoas. Ela também usa essas leis como uma arma e um escudo, tornando-as tão deliberadas e obtusas que, em alguns casos, pode se levar uma vida inteira até que se aprenda todas.
Fraqueza: A grande fraqueza da combinação é o excesso de análise e pouco instinto; a combinação tem uma natureza reacionária, e preferiria fazer nada enquanto não tivesse informação, a agir diretamente e correr o risco.

Azul-Preto
Preto e Azul combinam o conhecimento com a força de vontade firme de persegui-lo. O foco de Preto em individualidade e de certa forma egoísmo ganha uma séria vantagem quando combinado com a busca de conhecimento de Azul, criando personagens e organizações que vão fundo em conhecimento proibido ou usam extensivamente táticas inteligentes e pouco honradas. Poder corrompe, e unir conhecimento com puro poder pode facilmente levar a combinação a mostrar apenas o pior que as duas cores têm a oferecer.
Fraqueza: Sua maior fraqueza é indecisão: Deve-se tentar uma aproximação direta e definitiva, ou tentar algo mais sutil?

Azul-Verde
A combinação acredita que o destino pode ser melhorado. De primeiro, essa atitude parece puramente Azul, mas a combinação é certa de que o destino previsto é o modo certo; a combinação apenas está acelerando o processo todo. A combinação usa a inteligência e percepção Azul com a idéia de soluções diretas e simples de Verde para aplicar a quantidade certa de força bruta a um ponto fraco, a fim de obter resultados máximos.
Conflito: Seu maior conflito está em auto-negação; ao invés de lidar com o paradoxo de mudança contra destino, a combinação a ignora, e dessa maneira não percebe falhas vitais em seus planos, padrões e personalidade.

Azul-Vermelho
A combinação junta intuição com lógica. Pensadores loucos, magos excêntricos, e feiticeiros exóticos podem todos ser dessa combinação. Um personagem dessa combinação pode parecer um fã obsessivo, pesquisando e praticamente louvando o objeto de seu interesse, mas também podem facilmente parecer o gênio avoado, saltando de um projeto ao próximo sem realmente testar ou mesmo terminar o projeto anterior.
Conflito: Seu maior conflito é em consistência, quando sua inteligência e brilho batem de frente com sua liberdade pessoal e não permitem que a pessoa foque-se em completar seus grandes planos até o fim.

Branco-Preto
À primeira vista, parece que Preto e Branco não se misturariam direito, mas eles encontram um campo comum em um compromisso entre os dois: Um pequeno grupo que eles constantemente se esforçam para aumentar o poder, riqueza, conforto ou o que seja. Crime organizado é um excelente exemplo dessa mistura de cores, mas também o grupo de mercantes e nobres que mantém o controle de uma cidade ou organização firmemente em suas mãos.
Conflito: O conflito da combinação ocorre quando os desejos/necessidades do grupo conflitam com os do indivíduo.

Branco-Verde
Harmonia é a palavra-chave sobre essa combinação. A combinação integra natureza em sua sociedade, juntando o amor por ordem de Branco com a crença geral de tudo ter seu lugar de Verde. No seu melhor a combinação é genuinamente caridosa, sábia e harmoniosa. No seu pior cria ninhos amorais, onde cada indivíduo é escravizado no plano maior do todo.
Fraqueza: A maior fraqueza da combinação é o orgulho; muito normalmente, a combinação cai na armadilha de que seu caminho é absolutamente o maior, e que nenhum outro sabe realmente o que é bom.

Branco-Vermelho
A combinação acredita em sociedades que suportam e protegem as liberdades pessoais, enquanto ainda se esforçando pelo bem maior. Muito normalmente, a combinação está disposta a usar métodos pouco ortodoxos para conseguir a ordem ou defender o bem público; um vigilante poderia muito bem ser dessa combinação, bem como o líder de um linchamento para acabar com um pederasta local.
Conflito: A maior fonte de conflito na combinação é quando as liberdades pessoais conflitam com o bem da sociedade; a combinação deve decidir desenhar qual é a linha, ou ficar louca tentando resolver o conflito sem-fim.

Preto-Verde
O conflito de Preto e Verde é de individualismo contra predestinação; seu compromisso é fundado na ideia de destino fluido. Em essência, um indivíduo ou organização dessa combinação de cores, tem uma ideia sobre o Natural que é diferente de um Verde puro, enquanto ainda mantendo a ideia de conformismo com esse natural que seria contrária ao Preto; o caminho natural pode ser brutal e apenas o mais forte sobrevive.
Conflito: O conflito da combinação é um de motivação e a definição de o que é aceitável. Quão longe pode empurrar as fronteiras do que foi definido como “Natural” e o que é o Plano. Pressionada, a combinação torna-se paralisada por indecisão ou quebra em puro fanatismo.

Preto-Vermelho
A verdadeira anarquia, organizações dessa combinação por muito pouco podem ser chamadas de “organização”. A combinação acredita tanto no poder do indivíduo quanto na liberdade absoluta, e enquanto isso pode ocasionalmente criar filosofias gentis que mostram as melhores virtudes de ambos, geralmente acaba criando sociopatas hedonistas que procuram a próxima diversão ou objetivo sem perceber, ou pior ainda, sem se importar com a consequência de seus atos.
Fraqueza: Sua falta de vontade, ou inabilidade, de ter empatia com os outros é sua maior fraqueza; muito geralmente a combinação falha em compreender o conceito de consequências para suas ações, mesmo as que seriam ruins para sua liberdade ou poder, quem dera antecipa-las.

Verde-Vermelho 
Selvagem é o termo que normalmente se usa para descrever essa combinação. Emoção pura mistura-se com instinto, gerando uma criatura que age mais por intuição do que por racionalização. A combinação é direta, preferindo soluções simples à longas interações intelectuais. A combinação não se mistura bem com sociedade ordeira em geral; o amor de Verde por harmonia combina com as emoções puras de Vermelho, com resultados óbvios.
Fraqueza: A grande falha da combinação é sua falta de pensamento profundo; a não ser que controle-se deliberadamente, a combinação segue direto através da vida, sem perceber as consequências de suas ações.


Cores Inimigas – Conflito

Os conflitos principais que fazem com que as cores se odeiem e batam de frente são resumindo aqui. Esses conflitos dizem apenas em relação as cores que são Inimigas de alguma maneira. É fácil entender o conflito de duas cores quando você olha o aliado que as duas possuem em comum, e qual a diferença que cada uma delas possui com esse aliado.

Azul vs Verde – Escolha vs Destino
Azul acredita em potencial infinito; tudo pode ser melhorado e tudo pode ser perfeito, se a pessoa tiver o conhecimento sobre como o fazer. De fato, muitas pessoas azuis sentem um sentimento de obrigação para com o mundo – conhecimento pode ser usado para o bem, portanto deve ser usado para o bem. Azul não vê nenhum problema com mudar e melhorar o ambiente a algo completamente diferente se é isso que é necessário para ocorrer uma melhoria.
Verde, por outro lado, vê o mundo como algo que está certo; cada criatura tem seu espaço perfeito que se encaixa de maneira perfeita, bastando trabalhar para tal. Para Verde, a perfeita felicidade e harmonia são alcançados quando se descobre seu papel e o preenche. O “progresso” de Azul é assustador e ameaçador para Verde, porque ameaça o sistema inteiro. Mude uma coisa de seu lugar, e quem sabe quantos outros podem ser afetados?
Que nem a maioria dos conflitos onde um lado é motivado pelo medo, Verde é geralmente o agressor nessas disputas, atacando e destruindo o que acredita que ameaça seu ambiente. Ocasionalmente, a situação é o reverso, geralmente por que alguma organização Azul voltada ao lucro quer explorar o que Verde protege. Geralmente esses conflitos tornam-se bastante selvagens e sangrentos, com Verde atacando com defensores fervorosos e Azul contra-atacando com tecnologia e táticas superiores.

Azul vs Vermelho – Pensamento vs Emoção
Azul pensa, vermelho sente. Esse conflito básico, muito menos visceral do que, digamos, Preto e Branco, é o motivo que uma cor deixa a outra completamente louca. Azul favorece lógica e razão, deixando de lado as emoções como instáveis e pouco confiáveis. Vermelho, por outro lado, valoriza as emoções como a mais verdadeira expressão de quem uma pessoa é; Vermelho confia em seus sentimentos. Isso raramente leva ao conflito sangrento de outras cores, mas quando o faz é importante notar que Vermelho costuma ser o agressor.

Branco vs Preto – Moralidade vs Amoralidade
O conflito principal entre essas duras cores, mesmo além de indivíduo vs sociedade, é a idéia da moralidade. O Branco acredita firmemente de que existe um Certo, e que o que não é ele, por eliminação, só pode ser o Errado. Servir as necessidades do todo em lugar de as suas é Certo para o Branco, afinal de contas, o Todo irá proteger mesmo seu membro mais fraco. Isso significa que pessoas brancas são o máximo da virtude? Não necessariamente, mas eles necessariamente acreditam ser, ou se esforçam para tal.
Preto, por outro lado, é amoral. Note a diferença entre os conceitos de imoral e amoral; preto não acredita nos conceitos de Bem e Mal. Preto acredita num universo frio e cruel, e que na hora que a coisa apertar, as pessoas vão priorizar a si mesmas e o que é importante para elas ao invés dos outros. Para Preto, as ideias de Certo e Errado são, na melhor das hipóteses, ferramentas para manipular os outros, e na pior justificativas para cometer atrocidades; o que, na opinião de Preto, é simplesmente baixo. Se sua intenção é matar milhares de inocentes por seu motivo, ao menos seja decente e admita.
O que isso significa é que Branco vê Preto como uma ameaça para o bem comum – um ladino na melhor das hipóteses e uma fonte de corrupção infernal na pior. Preto, por outro lado, vê Branco como tolo ou falso e uma ameaça para sua liberdade pessoal. É interessante notar que, dessa maneira, Preto é menos preocupado com Branco do que Branco com Preto. Preto não dá a mínima para você e não se importa que você viva sua vida se curvando para as regras de outras pessoas, o que costuma fazer com que Branco seja o agressor nos conflitos.

Branco vs Vermelho – Conformidade vs Liberdade
O centro do conflito entre as duas cores sãs os conceitos de regras e restrições. Branco acredita no governo da lei, e que o bem maior é alcançado por seguir essas leis. Branco está disposto a forçar suas leis com penalidades severas se for o caso, e membros de sociedades brancas que não se conformam com as leis costumam ser marcados ou sofrerem muito mais.
Vermelho, por outro lado, toma liberdade como um ideal moral. Vermelho odeia regras e leis restritivas. Mais vezes do que não, uma pessoa vermelha quebra uma regra ou lei simplesmente para demonstrar que nada o governa, e reage de maneira selvagem à qualquer tentativa de o fazer se conformar à regra.
Isso definitivamente faz de Vermelho o agressor na relação; as leis de Branco são reacionárias, enquanto Vermelho é pró-ativo. Isso dito, ambos os lados do debate se odeiam, e o conflito pode se tornar selvagem e sangrento, especialmente entre duas organizações.

Preto vs Verde – Entropia vs Crescimento
O conflito entre essas duas cores é de consequências ideológicas. Verde vê Preto como desnecessariamente destrutivo, consumindo sem criar e removendo os recursos de pessoas, lugares e ambientes. Preto, por outro lado, vê Verde como impossivelmente ingênuo, incapaz de compreender que crescimento absoluto leva ao mesmo consumo desenfreado que Verde o acusa de fazer. Como no conflito de Azul e Vermelho, isso raramente leva a conflito aberto e sangrento. Porém, quando o faz, um dos lados costuma ser muito mais fraco, lutando genuinamente para não apenas defender-se como para sobreviver.


Cores Aliadas – Cooperação e Diferenças

Da mesma maneira que é possível listar por quais motivos as cores se detestam ou se enfrentam, todas as cores possuem cores aliadas, cujas quais os ideais são compatíveis com os seus, permitindo cooperação mais fácil. Segue abaixo a explicação de como as cores se dão bem, e em que ponto frustram-se umas com as outras.

Azul-Branco – Preparação
Branco e Azul valorizam bom planejamento, estratégia firme e pensamento inteligente. Ambos também querem mudar o mundo e têm planos (de sobra) para fazê-lo. Como Branco e Verde, Branco e Azul acreditam em um mundo melhor do que lhes foi dado, mas diferente de Branco e Verde, geralmente concordam um com o outro em como esse mundo deveria ser.
Métodos são, como era de se esperar, o grande conflito entre as duras cores. Enquanto Branco valoriza planejamento e cautela, também entende o valor de ação decisiva e sacrifício. Azul, por outro lado, prefere pensar seu plano inteiramente até que encontre uma solução perfeita que soluciona tudo de uma única vez, o que pode fazer com que Branco suba as paredes quando tempo é essencial.

Azul-Preto – Poder
De certa forma, Azul e Preto são as duas cores mais similares; ambos, no fim, estão atrás de poder. Azul quer o poder para deixar o mundo à sua volta perfeito; Preto quer o poder para garantir sua liberdade e segurança, mas no fim das contas realmente é sobre o quanto você tem para se defender. Preto e Azul apreciam o pensamento de que, algumas vezes, os fins justificam os meios e que alguém tem que ter poder para evitar que ele fique correndo por aí sozinho.
Onde Azul e Preto se encontram em problema é para o que eles querem o poder. Azul é, em seu coração, altruísta. Ele quer ajudar com todo o conhecimento e poder que vem guardando. Sua idéia de ajudar pode não agradar os outros, mas é essa a verdade. Preto, por outro lado, é egoísta e não pede desculpas por isso, e quer qualquer pedacinho de poder e conhecimento que para si, a não ser que dividir ele fosse garantir um lucro ainda maior. Enquanto Preto age de maneira decisiva para assegurar seu bem pessoal, Azul hesita, procurando algum tipo de bem maior, e é essa diferença de ideias que faz com que os dois não se olhem olho no olho as vezes.

Branco-Verde – Harmonia
Branco e Verde entendem o valor da idéia do grupo sobre o todo. Ambos valorizam o poder do grupo e a importância do todo sobre o indivíduo; uma formiga é insignificante perante a segurança do formigueiro. Ambos acreditam em causas maiores do que a possível mortalidade, e encontram compromisso nesse terreno comum.
Onde eles conflitam é em métodos. Branco é reacionário e prefere planejar seus movimentos para ter certeza da segurança do todo. Verde, por outro lado, é geralmente pró-ativo, preferindo adaptar-se ou atacar antes que o inimigo tenha tempo de reagir. Branco pensa antes, Verde é guiado por instinto. Ambos são dados à contemplação, mas ambos podem levar um ao outro à frustração durante um debate.

Preto-Vermelho – Liberdade
Preto e Vermelho ambos apreciam a idéia de liberdade e, de certa forma, gostam da idéia de viver a vida de acordo com seus sentimentos. As gratificações e liberdades pessoais de Preto são para si mesmo, enquanto vermelho importam-se com a liberdade de todos, mas ambos apertam mãos e cumprimentam o desejo honesto do outro em admitir que quer algo.
Vermelho algumas vezes pode ser levado à loucura pelo fato que Preto é um maldito desalmado. Preto algumas vezes nega ou reprime emoções que são inconvenientes para ele, e por outras trai até mesmo amigos e amados, o que é loucura do ponto de vista de Vermelho. Pior, Preto não se importa com a liberdade dos outros, e mais do que um conflito surge por que Preto estava aproveita-se de alguém com que Vermelho se importa, ou ainda por que Vermelho não concorda com a idéia de simples aproveitamento.

Vermelho-Verde – Intuição
Vermelho e Verde respeitam seus próprios sentimentos. Tanto Vermelho quanto Verde confiam nos instintos que possuem e agem com seus sentimentos sendo a expressão de o que deveriam estar fazendo. Ambos concordam que negar esses sentimentos é entre as coisas mais tolas que alguém pode realmente fazer.
Novamente, métodos e interpretações causam o conflito entre os dois. Vermelho tende a ser pró-ativo e agir baseado em seus sentimentos o mais rapidamente possível, enquanto Verde tem uma tendência de refletir e contemplar suas emoções e instintos em uma tentativa de maior crescimento emocional. Então, enquanto Vermelho está investindo, Verde algumas vezes fica para trás, o que pode fazer com que um ache o outro tolo e cause problemas. No geral, porém, Vermelho e Verde são o par que cooperam mais facilmente, e os dois fazem aliados naturais.



Cores como Forças


A idéia de que seres vivos representam as forças do cosmos é antiga como a criação, e presente também na Roda das Cores. Porém, é importante entender que cada cor muda um pouco quando compreendida como uma força universal, ao invés de uma filosofia. É importante compreender que as forças são particularmente amorais, e suas criações carregam um tanto dessa amoralidade com elas.
Imortais da esfera externa, criaturas feitas de essência, de Mana, a energia das cinco essências mágicas, são verdadeiras manifestações das cores.

Azul – Evolução
Diferente da idéia de Caos, Azul destila-se em pura mudança positiva; tudo que pode ser mudado é de controle de Azul, refinando e mudando para outras formas. Invenções fabulosas de magia e tecnologia ficam no caminho que a mana Azul passa, bem como catástrofes que balançam o mundo.

Branco – Ordem
Branco destila-se em pura ordem cósmica; a força que resiste a mudança e à independência. Onde forças Brancas puras passam, padrões duros e leis são deixados no tecido da realidade; exposição extrema à mana destilada do Branco pode deixar a realidade social em um looping causal, sempre pego na mesma corrente previsível de eventos.

Preto – Entropia
Casos individuais podem mudar, mas a dura verdade é que a mana Preta toma. Na presença de mana Preta pura, coisas quebram, se destroem ou morrem. Deixada por si mesma, mana Preta consume mundos, tentando alimentar sua fome infinita.

Verde – Destino
Crescimento sem fim é o resultado de mana Verde solta; novas formas de vida emergem e mudam em uma taxa alarmante, que, se deixada sozinha, irá rapidamente consumir todos os outros recursos e então si mesmo. Mana Verde pura se espalha como um câncer: Vida incontrolada, inevitavelmente destruindo tudo em volta dela.

Vermelho – Caos
O amor por liberdade de Vermelho destila-se em puro Caos. Tudo que pode acontecer, vai acontecer, e a passagem de pura mana Vermelha seria geralmente hilária se seus efeitos não fossem tão devastadores. Vermelho deixa magia instável, reescreve as leis da física e vira o universo de cabeça para baixo; brincar com a mana Vermelha não é recomendado.


Cores e Escolas de Magia


Escolas de Magia, Filosofias, Tradições Mágicas, bem como outros diversos nomes, são as formas como conjuradores aprenderam e entender a realidade mágica, e através dessas teorias são capazes de quantificar e compreender o mundo. Normalmente chamada de Mana, as cores como Forças acima mostradas possuem temas distintos, e esses temas pode ser traduzidos em escolas e tradições diversas, que utilizam essa mana como combustível.

Azul – Ilusão
Também chamada de Encantamento e Mentalismo, Ilusão é a arte de criar uma realidade. Para a Ilusão não existe real diferença entre o mundo físico e o mundo mental; se algo é verdade em sua mente, e você o percebe como tal, então ele é verdade para você. Seus atacantes afirmam que a escola não passa de enganação, focada em espelhos e fumaça, e que se nega a encarar a dura realidade.

Branco – Restauração
Também chamada de Abjuração e Renovação, Restauração é a arte de reforçar a trama. Sejam objetos ou pessoas, Restauração importa-se com revigorar, melhorar os qualidades e diminuir as fraquezas, criar, ou consertar, algo forte, duradouro. Seus atacantes dizem que a escola é sobre reação e falta de criatividade, focada consertar cacos ao invés de solucionar problemas.

Preto – Conjuração
Também chamada de Misticismo e Ocultismo, Conjuração é a arte de usar o outro mundo. Negando importância nas noções de realidade de outrem, Conjuração lida com o espiritual, o distante em passado ou futuro, e a aplicação do imaterial para solucionar os problemas. Seus atacantes dizem que a escola é irresponsável, ignorando a noção de que tudo tem um preço e vem de algum lugar.

Verde – Alteração
Também chamada de Distorção e Transmutação, Alteração é a arte de modificar a realidade. A Alteração compreende as leis do universo, e essa compreensão lhe permite modificá-las quando necessário, modificando o mundo e com isso a realidade. Seus atacantes dizem que a escola irrelevante, pois a realidade já existe em frente aos olhos, e que suas mudanças constantes enfraquecem a realidade.

Vermelho – Evocação
Também chamada de Elementalismo e Destruição, Evocação é a arte de controlar os elementos. Evocação simula o mundo natural e suas forças destrutivas e imprevisíveis, quebrando mesmo a maior defesa ou plano com a aplicação da fúria natural. Seus atacantes dizem que a escola é superficial, que violência não é a resposta a tudo, e que destruir a face de um problema não o resolve.

This entry was posted on segunda-feira, maio 18, 2015 at 15:53 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

1 comentários

PELAS MINHAS BARBAS! Tu precisar colocar tudo isso em um livro, nobre irmão!

Teu material tem qualidade para destronar os maiores gigantes neste meio!

20 de maio de 2015 14:15

Postar um comentário