BL - Diário de Erika - 02  

Posted by Diego Erik in



Sessão 2


Guerreiro 11 - 11 4E

Diário,

Estou nesta cadeira faz dias. Dói me mover, sangro, e a perda de sangue me deixa tonta eventualmente. Os médicos dizem que se fosse um dedo para a esquerda, o tiro teria atravessado meu coração.

Kallenish está a meu lado, delirando. Luna insiste em leva-lo para a terra do seu povo, para que possa morrer em paz. Ele irá morrer? Espero que não. Metade da Cabala esta morta, e a outra escapou por pouco.

Não consigo dormir bem, parece que os pesadelos aparecem cada vez que fecho os olhos. Os remédios não ajudam. Nunca precisei de remédio! Eu lutei contra corrompidos por uma semana com o braço quebrado! Não vai ser a droga de um virote que vai me parar, não importa o que eles digam!

Preciso sair daqui.


***

Guerreiro 13 - 11 4E

Diário,

Os demais foram para o norte. Desejo-lhes sorte.

Emyl veio até mim, me disse que quer dar a espada para o líder deles. Ela é estupida. Ela não vai conseguir derrotar Shaloknir, nem com a maldita espada. Espero que alguém consiga colocar senso na cabeça dela. Em todo caso, não sei se prefiro a espada nas mãos de homens que nas mãos de monstros. Monstros são fáceis de lidar.

Damon percebeu alguma coisa. Eu acho que ele tem razão, acho que Lúcian está em perigo de alguma forma. Luna e Xeloksar não acreditam nisso. Eu vi coisas que a maioria das pessoas jamais sonharia. Eu vi um mundo feito de fantasmas. Eu vi uma maquina falar verdades tão cruéis que levavam soldados aos prantos. Eu arranquei o coração de um Daemon com minhas próprias mãos. Eu olhei na cara de anjos e demônios e vi os portões da morte. Porque eles não acreditam quando peço para acreditarem em Damon?

Seja como for, eles partiram. Xeloskar lhes deu indicações.

Me obrigam tomar este amaldiçoado remédios. Não quero eles. Não precisei.

Eu sou mais que isto. Eu preciso ser mais que isto.

Preciso sair daqui.


***

Guerreiro 16 - 11 4E

Diário,

Luna veio até mim. Contou para mim sobre quando ela assassinou o Fernando. Como foi obrigada a faze-lo, caindo nas promessas de um sacerdote corrupto. Promessas de que o amor dela seria salvo se ela o fizesse. Extorquida. Colocada contra a parede.

Não posso perdoá-la. Essa não é uma dor que é minha para perdoar. Eu admirava Fernando, mas era Cibele que o amava, e é dela que o perdão deve ser recebido. Luna quer usar isto como um combustível para ser uma pessoa melhor. Espero que consiga. O que ela fez, o trabalho grotesco por medo e ilusão, não pode ser sanado só com palavras alheias. A dor pelo Fernando ainda será vivida por ela se ela mesma não se perdoar, e nem ele, nem ela, nem a Cibele, encontrarão a paz se isto não ocorrer.

Luna diz amar Lúcian. Que amor estranho é este, um amor tão abertamente não correspondido, tão volátil, mas que ela se afeiçoa tanto? Não é amor por ela que Lúcian sente. Não no sentido próprio da palavra. Eles, Luna e ele, não tem um futuro juntos, nem uma historia a não ser uma sacerdotisa da Devoradora servindo-se de um rapaz que acredita estar fazendo um bom negocio. O Amor que a Devoradora oferece não é puro. É possessão, é dominação, e finalmente, consumo. Quantos Lúcians será que ela já teve? A Devoradora é uma deusa cruel, se é alguma coisa.

Luna não sabe quem é a Raquel. A chamou... “Daquela”. Como se atreve!


***

Guerreiro 19 - 11 4E

Diário,

O mar é bonito. Por fim sai daquele lugar. É bom sentir o vento no rosto. Os akiaks do barco que a senhorita Luna arranjou são bastante legais, apesar de não ter um linguajar muito... formal.

Sempre gostei do mar. É verdade que ele é profundo, e que coisas habitam nele, mas ele também é oportunidade, é um horizonte infinito em que atrás de cada onda pode haver uma ilha escondendo mil maravilhas.

Lorde Xeloksar parece desfrutar bastante da viagem. Ele fala um Raumvir impecável! E o sotaque dele também é muito bonito.

O ar está fresco. São bons ventos.


***

Guerreiro 21 - 11 4E

Diário,

Chegamos a Khain. Faz anos que não estou aqui. A ultima vez que estive eu estava indo para Lucan e foi só de passagem. Eram tempos mais leves, acho.

Sempre admirei os barcos que Khain faz. O Calisto é realmente uma fortaleza flutuante, e seus marujos são muito elegantes! Os trajes dos capitães cheios de medalhas e seus chapéus bonitos. Eu queria ter ainda minhas medalhas. Sinto falta delas as vezes.

Khain cheira a peixe, mas é fácil de se acostumar. Eu não falo Arlangar e as pessoas se surpreendem com isto. Não faz mal, a senhorita Luna e o lorde Xeloskar falam bem este idioma. Lorde Gaborn não parece muito animado para falar com as pessoas. Nem Raagras. E nem a senhorita Lindriel parece se contentar em seguir a senhorita Luna.

Elas usam chapéus. Chapéus bonitos e cheios de penas e alguns até frutas! Jamais imaginei que usar frutas na cabeça poderia ser considerado elegante em algum lado.

A Cidade parece estar se recuperando de maus tempos, mas parece que eles não abalaram os ânimos de Khain. Claro, há bastante pobreza, e bastante gente sofrendo, mas considerando que a historia de Nualia seja verdade, é surpreendente e admirável a resistência deste povo.

Falamos com a Marechal Ilana Kroft. É uma mulher admirável, tão firme quanto Celeste a descrevia, para surpresa. E mais supreendentemente, ela confirmou a historia de Nuália. Claro, com devidas mudanças, pequenas, mas em geral bastante fieis. Confesso que esperava que a historia de Nualia fosse uma mentira deslavada, mas não o foi, e isso é um pouco assustador.

Não sou inclinada a simplificar a Nualia como Luna ou os outros o fazem.

Ela fala que esta sem dinheiro, que a rainha não a matou porque era popular, e para puni-la, pune a guarda Alessandra junto. Coloca estas moças, as Espadas da Rainha junto a guarda. São cruéis e duras, me falaram. Izack me falou uma vez que medo é a melhor arma de um governante, pois teus inimigos tem medo de ti e teus amigos temem te trair. A Rainha Rosália parece concordar, tristemente.

Fluímos ao Sistema de Inteligência de Selvalis também. Fiquei uma meia hora esperando. Tinha uma planta cheirosa lá e o sofá era cômodo, apesar do tédio. Sei que pode parecer um pouco de arrogância, mas tinha me esquecido como era esperar para ser atendida. Ultimamente as pessoas quando sabem quem sou eu me tratam imediatamente.

Raagras e Luna conseguiram convencer a moça para falar com um agente, e seguimos um forjado até a casa de Karlanar. Fazia anos que não via um forjado. Confesso que não consigo gostar deles, não tenho boas experiências com forjados, em especial com os livres que tentam imitar os seres de carne.

Karlanar mora em uma bonita mansão na parte alta da cidade. Mas é um alarani bastante excêntrico. Ele nos confirmou parte da história, mas nos contou que Nualia tinha modificando a historia com a traição de Felicia e Caesar. A bruxa Celeste se surpreenderia, eu imagino.

Lorde Xeloxar comprou chapéus para todos nos. Ele mesmo está usando um belo chapéu preto com uma pena branca e azul, que fica muito bom nele. É um Thaar muito elegante.  Lorde Gaborn parece que gostou de seu chapéu negro. Combina com ele. Até Raagras ganhou uma cartola! Ficou bem bonitinha nele, mas não vou falar. Eu sei que ele fica sem graça.

Ele me comprou um chapéu cor-de-rosa bem bonito, mas não posso ficar com ele. Ele pareceu um pouco contrariado. Tentei me desculpar, mas não posso mesmo. Daria para comprar um cavalo com o que ele gastou nesse chapéu! Ou alimentar uma família por um mês! Espero que ele entenda.

Em fim, tem também este Akiak irritante na casa de Karlanar, o Bum. Não gosto deles. Nem do Akiak Bum, nem de Karlanar, nem do forjado. Todos eles têm intenções duplas. Eles não são para serem confiados.

Karlanar diz que talvez possa arranjar uma entrevista com a Rainha. Talvez, ele pontuou. Mas quer em troca a arma de Raagras. Eu falei para ele que falar com a rainha não era uma barganha, mas uma questão de necessidade. Ele quer a arma. Por mim, nunca a terá.

Vou fazer uma exceção hoje. Vou tomar esta cheirosa cerveja que o Lorde Xeloksar me comprou. Faz tempo que não bebo.



This entry was posted on terça-feira, julho 28, 2015 at 08:03 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

0 comentários

Postar um comentário