BL - Diário de Erika - 05  

Posted by Diego Erik in



Sessão 5

Guerreiro 24 - 11 4E

Diário,

Prenderam o Raagras. O SIS aproveitou a oportunidade enquanto todos nos estávamos fora e prendeu o meu amigo e roubaram suas coisas. “Em nome do bem da nação” eles disseram. Espero que estejam orgulhosos, Luna, Xeloksar, Gaborn. Espero que olhem para o fruto do que fizeram e se sintam orgulhosos.

Estou tentando salvar a maldita vida de todos e esse idiota do Karlanar só me atrapalha.

Deveria deixar todos morrer.

***

Guerreiro 24 - 11 4E, adendo

Diário,

Novamente, pesadelos. Estou me acostumando a eles, acho. Talvez.

Levantamos cedo para procurar as respostas sobre os crimes feitos em nome da igreja do Criador. Desta vez, senhorita Luna decidiu nos acompanhar, acho que porque estava entediada. Lorde Gaborn pareceu ter bebido demais noite passada e não acordou em condições para nos ajudar.

Lorde Xeloksar apontou que primeiro deveríamos visitar os companheiros de Lorde Gaborn naquela estalagem de piratas e prostitutas. O local cheirava a peixe frito e as pessoas eram as mesmas acho. Sempre achei interessantes estes locais. Quando viajava sozinha eu costumava me sentar em um canto e ficar imaginando as histórias daqueles homens tatuados e mulheres duronas de moicano tinham a dizer.

Fomos atendidos pelo senhor... er... o senhor akiak que não lembro o nome. Ele tinha uma irritação bem feia no corpo. Dei algo para ele se aliviar, mas aconselhe-o e a seus companheiros a procurarem uma estalagem mais limpa e a se depilarem. As pulgas são criaturas resistentes e seus ovos sobrevivem mesmo a banhos longos e quentes. Lorde Gaborn certamente não se importará em financiar alojamentos melhores para seus companheiros, e banhos decentes! Quem sabe até roupas novas!

O senhor akiak nos falou que a senhorita Amanda seguiu eles o padre Nathan e seu companheiro durante um tempo, mas não viram nada suspeitoso. Eles comentaram que alguns moradores de rua tinham visto gente gritando pelo criador batendo em pessoas, e que eles tinham queimado o Unicórnio Colorido ou alguma coisa assim, que era um prostibulo nas docas. Ele afirma que é uma coisa muito ruim de se fazer. Ele falou que a sacerdotisa de Dheia tinha sido espancada e marcada o símbolo do Criador no peito. O senhor Akiak acha que os atacantes exageraram e tentaram remendar, pois é a única atacante deste tipo.

Decidimos pois ir atrás desta sacerdotisa. Por motivos religiosos, Luna preferiu ficar longe, e fui eu e o Lorde Gaborn para ver os sacerdotes. Era um local bem bonito, e todas esses homens e mulheres bonitas eram realmente abençoados pela deusa das artes e belezas. Não me deixaram entrar. De acordo com o Lorde Xeloksar eu estava muito... não estava com as roupas certas. Eu entendi.

Eu realmente gosto de estar bonita. De ter um pente e ter meus cabelos bonitos e unhas bem pintadas e bem maquiada como Raquel sempre me exigiu. Eu queria isso, estar sempre em meu melhor. As vezes penso se escolhi o caminho certo. É ruim passar fome, dormir em lugares frios e incômodos, sofrer rejeição pelas vestimentas simples.

Eu queria me sentir bonita. Me sentir mais parecida a Raquel.

Lorde Xeloksar depois comentou comigo que o sacerdote com quem falou foi designado a caçar aquele que tinha feito mal à acolita, que não era uma sacerdotisa. Ele acreditava que eram servos da mãe negra querendo se vingar de ter perdido uma peça de teatro ou algo assim. Apesar de admirar muitas coisas do culto da Mãe Amorosa, não consigo entender porque pessoas se matariam ou machucariam por causa de uma peça de teatro. Em todo caso, o Lorde Xeloksar combina com o culto da mãe amorosa. É um thaar bem artístico, além de ser bem bonito e elegante!

Decidimos logo ir atrás das cafetinas e cafetões da cidade para saber alguma coisa. A senhorita Luna, em sua condição de alta sacerdotisa, fez um excelente trabalho! Mesmo estando entre pessoas que ela normalmente consideraria sujas, a senhorita Luna se envolveu rapidamente entre elas.

Poucas mulheres que conheci antes conseguem ser tão sensuais quanto a senhorita Luna. Digo... claro, conheci diversas com corpos mais bonitos, com mais peitos, com curvas mais exageradas, mas não é sobre isso. É sobre o movimento, sobre a forma de falar e olhar. É uma estratégia aracnoide: ela envolve as pessoas na sua teia e tira delas o que precisa.

Neste caso, ela obteve informações sobre outra prostituta que tinha sido atacada. Quando fomos falar com ela, ela disse que homens encapuzados tinham atacado ela e batido nela com porretes enquanto a insultavam em nove do Criador. Mas ela não soube nos descrever nada além de que eram seis, como aqueles que atacaram a acolita de Dheia.

Lorde Xeloksar deu a ideia de procurarmos criminosos locais para encontrar pistas. Depois de muita conversa encontramos uns bandidos que disseram que não tinha feito o mal, mas que sabiam onde o cadáver de uma alarani atacada estava. Eles disseram que tinha sido faz tempo e o corpo saqueado. Como tinha passado muito tempo, imaginamos que nada de útil poderia ser tirado do corpo dela. Eles também mencionam que uma moça tinha sido atacada porque seus pais eram donos de armazéns de importação. Ela era uma padeira e conseguimos descobrir onde ela trabalha.

A padaria, que ficava bem longe, era muito bonita. Os pães cheiravam ótimo e eram muito coloridos. Faz tempo que não cozinho. E que não cozinho pão. Acho que vou comprar uns ingredientes. Eu não sei como foi a conversa, mas Lorde Xeloksar terminou assustando a criança, que chamou pela guarda e fomos retirados de lá pela força. Ele talvez não leve jeito com crianças, mas em todo caso, saímos com as mãos vazias.

Enquanto voltávamos, pedi ao Grande Lobo que me desse alguma dica. Estávamos perdidos e eu não queria deixar que mais pessoas fossem feridas por causa de um bando de fanáticos desesperados. Foi quando percebi em um beco um homem sendo atacado. No começo achei que eram bandidos, mas quando cheguei perto, escutei eles gritando o nome em Arlangar do criador. Ameacei eles com minha espada de madeira e eles jogaram um porrete na minha cara.

É a quarta vez que isso acontece.

Pelo menos o porrete não estava pegando fogo como da última vez.

Eles fugiram, mas o senhor estrava bem ferido. Levamos ele para a loja dele, que era uma loja de penhores que ficava por perto. Ele nos agradeceu e enviamos ele para casa. O homem tinha alguns machucados e alguns dedos quebrados, mas nada grave. Fora uma surra mesmo. Falei para o Lorde Xeloksar ir atrás deles mas ele queria procurar provas. Convenci ele que era mais rápido rastrear aqueles que tinham fugido. Com algumas moedas e alguns olhares da senhorita Luna e muitas, muitas palavras do Lorde Xeloksar conseguimos localizar onde um dos atacantes tinha se escondido.

Era um cortiço.

O dono nos deixou enterrar com algumas moedas em seu bolso, e me dirigi até onde a mulher estava. Eu achava que ela estava armada de algum jeito, que sabia que tínhamos chegado... Chutei a porta para surpreende-la. Me arrependi. Percebi na hora que era só uma mulher normal, uma cidadã pobre que estava assustada. Apesar de que as cosias de sua escapada criminosa estavam no chão. Lorde Xeloksar perguntou se fora ela que o fizera. Ela disse que sim. Com convicção. Ela sabia que era errado, mas não se permitia deixar continuar a ganancia dos outros.

A religião do Criador forja justiceiros e fanáticos. Gente que acha que a mudança tem que ser imposta, não inspirada. Que não precisa partir de si, como exemplo, mas sim derrubar os fortes. Eles são loucos, e esta mulher também o era. Louca por uma religião. Eu queria prende-la, mas Luna a desmaiou antes e levamos até onde o agente que tinha nos contatado estava. Ele ficou bem agradecido e disse que iria tomar providências agora que tinha provas. Espero que corra tudo bem, detestaria ver mais gente inocente machucada!

Foi então que descobrimos que Raagras tinha sido sequestrado e suas coisas roubadas...


***

Trecho do diário de Luna


É estranho pensar que estou vivendo tudo isso, de dentro do olho do furacão sem que Lucian esteja aqui, não tem sido tudo por ele afinal? Querer ser alguém digna da amizade devotada e dos olhos brilhantes com os quais ele via o mundo? Estranho sim, uma experiência sobre a qual não tenho opinião, somente espero o próximo passo dela.

As bênçãos da Mãe Negra mais uma vez abriram nossos caminhos, sorrisos maldosos e agradecimentos cuspidos como farpas foram minha paga; mas não importa, o rapaz era um doce e nos levará a Rosália afinal.

Minha boca amarga a cada dia com o nome Karlanar; eu conheço Lindriel, sou a “fêmea” fixa de um raksha, ando com um thar que esteve em minha cama por vezes infindáveis e por hora resolve tratar-me como uma conhecida de anteontem, mas o alarani supera todos em estranheza. Não consigo decifrar nada, nada em absoluto dele, por mais que eu olhe, escute, sussurre nada a não ser sua profissão, nada da pessoa, nada de nada, a exibicionista figura alarani não passa de um pergaminho em branco...

...O SIS nos pede ajuda com fanáticos que pregam ao “Criador”. Informei aos demais que não ajudaria, seria simplesmente terrível que uma religião assim prevalecesse, imagine uma vida do viver por viver, não isso não é vida, eu sei que não, só há vida realmente quando todos os seus sentidos são testados, tentados, satisfeitos, Dorana seja louvada.

***

Convenceram- me a participar do que nos foi pedido oficialmente por Khain, vou me infiltrar entre os credores da vida chata.

Não consigo saber como, mas as palavras de Nathan fazem sentido. A Luna de dez anos atrás entenderia a necessidade de mais igualdade, de mais generosidade; mas não a filha da Mãe Negra, não a abençoada e santificada senhora dos prazeres... há algo errado comigo? Porque as palavras erradas dele me tocaram? Será vestígio da menina simplória que um dia fui?

Acho que minha Senhora não se agradaria de tal ato: vou a uma casa de banho extravagante, depois sorverei de vinho fino e amargo, certamente isso clareará minhas ideias; mas preciso ser honesta: Natan não lidera o que está acontecendo, o gentil homem me fala de uma vida se simples, justa, seu rebanho é tratado com um amor zeloso e não com cólera inflamada como os ouvintes da praça, ele usa da singeleza água para um ritual de batismo. Apenas isso, Laura como me identifiquei ainda é uma pecadora e não está pronta para abandonar “os pecados do mundo e da carne”, mas estará com a ajuda daqueles generosos fiéis...

Natan não é o culpado!

Estou excitada com a possibilidade de ver Rainha Rosalia, Celeste falava como sua beleza era lendária, não sei se será como olhar Felicia que parecia uma joia viva, mas estarei em meu melhor, ah sim eu estarei; depois eu e Lindriel pagaremos nossas dívida para com Alberto, essa noite proporcionaremos a ele uma visão inesquecível de um eclipse.

This entry was posted on quinta-feira, agosto 13, 2015 at 21:32 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

0 comentários

Postar um comentário